sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

REFLEXOS



REFLEXOS


Eu me olho... sim, neste espelho que não é mágico,
Que mostra a clara verdade que circunda-me.
Eu me olho... sorrateiramente, de soslaio
E invado todo o meu corpo de inebriante sensação.
Eu nem mesmo sei quem sou nesta imagem estática,
Eu não sei que caminhos seguir ou palavras dizer.
Mas me olho, nesse reflexo entristecido,
Abatido pelas lembranças traiçoeiras,
Infantis crenças, sonhos adormecidos.
Me olho numa imagem pálida, de mim, dos meus olhos
Estáticos, sem brilho ou configurações.
Esvaem-se, de mim gotas cálidas
Da imagem que derrete em frente ao espelho
E que, num devaneio, foge de si mesma.


2 comentários:

Rebeca Xavier disse...

gostei mt do poema, mas tenho q comentar a imagem. Apsar de ser o tipo de imagem q me agrada, o reflexo parece ser d eoutra pessoa o.o

Eritania Brunoro disse...

Sabe que faz sentido, não tinha reparado. rs rs rs. Muito observadora.